x

Revista Pesca & Companhia - As melhores dicas para sua pescaria


Notícias

Publicado em 06/09/2012 por Armando Urenha Jr.

Jaú

Nome: Jaú

Nome científico: Paulicea lutkeni

Água doce ou salgada: Doce

Família: Pimelodidae

Características: É um dos maiores do Brasil. Peixe de couro, piscívoro, chega a pesar 120 kg e medir 1,60 m. É, sem dúvida, um sinônimo de força. O peso pesado de nossos rios, também chamado de Giant Catfish, pertença à família Pimelodidae, tem a coloração parda com manchas escuras no dorso e abdômen branco. Os juvenis são conhecidos como jaús-poca e apresentam coloração amarelada, com manchas em tom violeta. Sua cabeça é achatada e grande, aproximadamente 1/3 do total. O corpo é grosso e curto, com esporões nas pontas das nadadeiras.

Hábitos: Por ser carnívoro e ter hábitos noturnos, é mais facilmente capturado no final da tarde até o amanhecer, sendo percebido devido aos rebojos que forma na superfície. Costuma ser encontrado no canal do rio, principalmente em poços fundos e grandes na época das cheias. Quando o rio está mais baixo, o jaú costuma acompanhar os cardumes que migram rio acima. Apesar de seu grande porte, seu ataque é rápido e certeiro.

Curiosidades: Recomenda-se tralha pesada, pois oferece grande resistência quando fisgado. As caras são de ação pesada e extra pesada (30 a 50 lb), linhas de 50 a 80 lb e carretilhas ou molinetes que comportem por volta de 150 m; chumbadas do tipo oliva entre 200 g e 1 kg, dependendo da profundidade e força da água, pois é muito importante que a isca fique no fundo. As iscas mais eficientes são a tuvira, muçum ou pirambóia, cascudos, traíra, piaus, piabas e minhocuçu, devendo ser iscados vivos e inteiros. Pode-se optar também por coração de boi, fígado de boi ou tripa de galinha.

Onde encontrar: Os jaús costumam ser encontrados em canais de rios, poços fundos – como o final de corredeiras – nas regiões Norte, Centro-Oeste, e em alguns locais dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Apesar de escassos e de pequeno porte, em alguns pontos, como no Pantanal, ainda há ótimos locais onde podem ultrapassar 50 kg, como na região entre o Pará e Mato Grosso.

Dicas para pescá-lo: Para uma fisgada mais eficiente, não tenha pressa. Espere o peixe colocar a isca na boca e deixe-o tomar um pouco de linha. Quando sentir o peso, dê aquela puxada.