x

Revista Pesca & Companhia - As melhores dicas para sua pescaria


Exclusivos

Publicado em 01/08/2011 por Kid e Saulo Nazion

Tarpon no mangue

Aprenda com os nossos consultores como pesca um dos peixes mais cobiçados do mundo

TarponINTERNA.jpgNa costa brasileira, em especial nas regiões nordeste e norte, é encontrada uma das espécies mais apreciadas pelos pescadores esportivos de todo o mundo: o tarpon.

Este gigante prateado é chamado aqui no Brasil de camurupim ou pema. Trata-se de peixe de escamas prateadas, corpo avantajado, que habita desde as águas abertas, estuários e mangues e que nessa edição ajudaremos você a encontrar esse grande predador nas águas de mangue.

Primeiramente devemos ter conhecimento do amplo do fluxo da maré desses locais. Em seguida se preparar para pescar nos repontos das marés, vazantes e enchentes, pois o tarpon tem sua maior atividade nesses períodos. Dê mais atenção para a pescaria no período matutino, que é sempre produtivo. Apesar de o tarpon ser um peixe de hábitos noturnos, isso não nos impede de ter boas capturas durante todo o dia.

Ao chegar no ponto de pesca, o pescador deve iniciar um processo de observação do comportamento do peixe, que particularmente se assemelha a um pirarucu. Devido a sua morfologia, essa espécie aproveita oxigênio do ar para complementar a sua respiração, denunciando o seu posicionamento e deslocação no trecho do mangue.

Fique atento a faixa central do mangue, onde a maioria dos tarpons grandes tendem a se manter. O pescador deve estar atento ao sentido em que o peixe se movimentou e estar de frente a ele,  apresentando a isca no seu raio de visão e aumentando a possiblidade de captura.

Um fator importante para o sucesso da pescaria é observar também o ecossistema local, com enfoque especial aos cardumes de pequenos peixes, como sardinha e tainhas, que fazem parte da cadeia alimentar do tarpon e na maioria das vezes se concentram nas bocas das marés, onde há uma grande incidência de nutrientes, aumentando assim a presença de grandes tarpons.

Localizados esses cardumes é prudente que o pescador os acompanhe esperando o momento em que os tarpons os atacam. Uma boa dica é fazer um longo arremesso na faixa central e trabalhar lentamente iscas como flies, plugs e jigs de bucktail. Também é possível se capturar o tarpon com a técnica de corrico, navegando em baixa velocidade na faixa central do mangue tracionando iscas de barbela e naturais como a tainha. Nesse caso é de suma importância que o pescador navegue em ambos os sentidos da maré.

Outra situação muito produtiva para pequenos camurupins, chamados pelos americanos como baby tarpons, é a pescaria de arremessos, tendo como principal alvo as margens do mangue, suas galhadas e pequenas estruturas submersas. Por ser um peixe de comportamento alimentar oportunista, a velocidade no trabalho da isca é fundamental, devendo ser lenta e com leves toques.